quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

RICHARD ROLLE (1300-1349)

Richard Rolle, foi grande místico cristão, nasceu em 1300, em Thornton, Yorkshire, Inglaterra; e faleceu em Hampole, 1349, durante a Peste Negra. Por volta dos 20 anos ele deixou a universidade e iniciou uma vida de eremita. Ele escrevia poemas e meditações apaixonadas sobre a Paixão e descrevia a experiência mística através de hipérboles como “o fogo do amor queimando em sua alma”. Segundo ele mesmo, teria alcançado o estágio o mais elevado do seu êxtase quatro anos e três meses após o começo de sua conversão. Richard não pertenceu a nenhuma ordem e não reconheceu nenhuma regra. Depois vagueou de lugar a lugar, descansando quando encontrava amigos para fornecer para ele o que precisava.

Richard Rolle conta como, certo dia, orando sozinho na capela, teve uma experiência profunda com Deus. Em um dado momento foi atraído por uma intensa consciência do amor de Deus. Uma doçura indescritível. A partir de então, sua vida transbordou de lirismo e de amor por Cristo. Seu amor por Cristo estava “em ansiar cada vez mais".

Richard Rolle foi um dos primeiros escritores religiosos a escrever em língua vernácula; escreveu em latim e inglês. Sua obra mais bem conhecida seja o De Incendio Amoris, em grande parte de cartáter autobiográfico. Escreveu ainda: Meditação sobre a Paixão, A Forma da Vida Perfeita, A Emenda da Vida.

Richard Rolle insiste muito no desapego do mundo, no combate contra os obstáculos da vida espiritual e sobretudo na "iluminação" e no abraço de amor.

Seus escritos foram largamente influentes e foi venerado no mínimo por 300 anos após sua morte. Faleceu no ano de 1349, vítima da peste negra.

PENSAMENTOS DE RICHARD ROLLE

"Eu te peço, Senhor Jesus, que desenvolvas em mim o teu amor, um anseio imensurável para contigo, uma afeição sem limites, um desejo irrefreável, um fervor quelança ao vento toda timidez! Quanto mais sincero é o nosso amor por ti, mais exigente ele se torna. A razão não o controla, o medo não o faz tremer, o julgamento sábio não o limita. Amém."

"A contemplação é um maravilhoso deleite do amor de Deus, e essa alegria é uma forma de venerar a Deus que não pode ser descrita. E essa incrível veneração ocorre dentro da alma, e em virtude da transbordante alegria e doçura, ela sobe à boca e, então, o coração e a voz combinam-se em uníssono, e corpo e alma comprazem-se no Deus Vivo."

"Verdadeiramente Deus é de infinita grandeza, mais do que podemos imaginar... irreconhecível pelas coisas criadas; e jamais poderá ser por nós compreendido como Ele é, em si mesmo... Mas mesmo aqui e agora, sempre que o coração busca a Deus, ele é capacitado a receber a luz incriada e, inspirado e cheio dos dons do Espírito Santo, experimenta as alegrias do Céu."

"O meu lado está aberto: agarra o meu coração. Corre, abraça-te ao meu pescoço: ofereço-te o meu beijo. Eu adquiri-te como minha parte da herança, por forma a que nenhum outro te tenha em seu poder. Entrega-te todo a mim que me entreguei totalmente por Ti”.

"Na cruz, Cristo chama com grandes gritos... Ele oferece a paz e dirige-se a ti, desejando ver-te abraçar o amor..."

"Oh bom Jesus, Tu has sujeitado meu coração ao pensamento do Teu Nome, e agora não posso senão cantar-Te: tem por tanto misericordia de mim, fazendo perfeito o que Tu has ordenado"

“Todo amor que não se dirige a Deus é um amor mau e converte em maus a seus possuidores também. E esta é a razão do porque os que amam o esplendor deste mundo adquirem fogo de uma classe diferente, e se separam ainda mais do fogo do amor divino”.

“As pessoas se convertem no que amam.”

“Todos os que vivem esta vida, sabem que não podemos encher-nos do amor que pertence a eternidade, ou ser ungidos com o doce óleo do céu, a menos que em verdade nos convertamos a Deus”.

“Ó Pai que governas as almas silenciosas, concede a luz que sacia os olhos de doçura. Assim verei o caminho pelo qual fugir das vaidades, e serei arrebatado pelo fogo interior do amor a Cristo, a quem desejo com todas as forças de meu coração”.

“Tudo o que desejo encontro em ti, ó Cristo! Não vejo o que alguém poderia procurar fora de tua face. Desde o dia em que atraíste meu coração para ti e em que meu pensamento se voltou para teu amor, tu és minha única ternura, a exultação de minha alma, a alegria de meu espírito!”

“Tua beleza, ó Bem-amado, ultrapassa tudo o que o homem pode imaginar; ele não pode exprimir tua glória, nem sequer quando, arrebatado aos céus, ele faz jorrar de si abundância de louvores!”

Um comentário:

Maria - Portugal disse...

mais um presente para o Natal...obrigada.
Santa e feliz celebração...
Abraços fortes