quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

DIONÍSIO AREOPAGITA, OU PSEUDO-DIONÍSIO

Teólogo e filósofo neoplatônico cristão de expressão grega, mas de origem desconhecida, dito também Pseudo-Dionísio por ter assumido o nome daquele Dionísio Areopagita, ao qual o Apóstolo Paulo converteu ao cristianismo pelos anos 50 de nossa era, por efeito de seu discurso no Areópago de Atenas. Dionísio Areopagita se apresenta como discípulo de São Paulo de Atos 17,34. Dele possuímos as seguintes obras: Sobre a Hierarquia Celeste; Sobre a Hierarquia Eclesiástica; Sobre os Nomes Divinos; Cartas e a obra Sobre a Mística Teologia. Não existe nenhuma citação patrística, sobre Dionísio, a não ser em 532 quando ele vem citado num encontro entre Católicos, que aderiram ao Concílio de Calcedônia, e Monofisitistas Severianos. Neste encontro entre Monofisitistas e Calcedonenses, em Constantinopla, o Bispo Hipázio de Éfeso, negava a autenticidade deste "corpus" enquanto os monofisitistas baseavam sua "ortodoxia" chamando Dionísio em testemunho.

Muitos estudiosos esforçaram-se em datar e identificar nosso autor: ou atribuindo a Dionísio ser o discípulo de Paulo; ou conforme a Escola Francesa que procura identificá-lo como o primeiro Bispo de Paris, São Dionísio; ou com Pedro Ibério; ou com Pedro Fulão, Severo de Antioquia, etc.
Os estudiosos não conseguiram definir a data dos escritos dionisianos a partir da questão histórica. Koch e Stigmayr conseguiram aproximar uma datação a partir do estudo interno das obras recavando elementos que poderiam indicar sinais de nosso autor na história.

O primeiro elemento relevante encontramos no capítulo IV do tratado Sobre os Nomes Divinos. Este tratado dependia do De Malorum Subsistentia de Proclo que morrera em 485. Este elemento forçava a datação mais próxima para a metade do século V e início do século VI. Devemos destacar que não se trata somente de um estilo de aproximação entre eles, mas que Dionísio cita frases inteiras de Proclo.

Stigmayr tentou então fazer uma cronologia destacando os seguintes pontos:
1. O Concílio de Calcedônia (451) tinha condenado a doutrina Eutiquiana da mistura de Cristo. No "corpus dionysiacum" encontramos também esta preocupação. Nesta hipótese podemos datar o "corpus" depois de 451.
2. No livro que nos fala Sobre a Hierarquia Eclesiástica III,2 encontramos a referência ao Credo como parte integrante da Eucaristia, e por isso, o "corpus" deve ser posterior a 476, visto que o monofisitista Pedro Fulão foi quem introduziu na Eucaristia o Credo em Antioquia.
3. Também o decreto Henótikon do Imperador Zenão. Ele procurou conciliar os Calcedonianos e Monofisitistas condenando o uso de "uma natureza" e "duas naturezas" que também vêm evitadas na obra de Dionísio.
4. No comentário de André de Cesaréia, ao Apocalipse de São João, Dionísio é chamado em testemunho. Também Severo de Antioquia escrevendo ao Abade João cita Dionísio.

Todas estas evidências fazem datar nosso autor em fins do século V e início do século VI.

A autoridade de Dionísio vem confirmada com Máximo o Confessor, e a partir de então, Dionísio entra como citação na Igreja Oriental. Papas e Imperadores foram quem abriram no Ocidente as portas para Dionísio. Ele foi citado pelo Papa Gregório Magno (+604) bem como Papa Agatão (680) Adriano I (787). O Papa Paulo I (758) presenteou a Pepino, o Breve, com os escritos de Dionísio. Foi Ludovico Pio quem encomendou ao abade Hilduino fazer a primeira tradução do "corpus dionysiacum" para o latim. Mais tarde Escoto Eriúgena (810-877), a pedido de Carlos II, o Calvo, fez uma nova tradução que será muito superior àquela de Hilduíno.

Gozou de grande autoridade no decorrer de toda a Idade Média, porque se supunha contemporâneo dos primeiros cristãos. Mais precisamente, o autor pode ter vivido na Síria, talvez um bispo por causa da maneira respeitosa de se referir às autoridades da Igreja. As
suas obras proporcionaram uma importante contribuição ao estudo da filosofia da religião, também no Ocidente, onde circularam em versão latina. Foi de um nível de pensamento superior entre os cristãos. Sua orientação é neoplatônica e reproduziu textos de Proclo (480-485), sem todavia mencioná-lo pelo nome. A sua obra teve grande influxo para a espiritualidade Ocidental: Scoto Eriúgena, Alberto Magno, Boaventura, Tomás de Aquino, Dante Alighieri, São João da Cruz, etc.

O esquema de Dionísio tornou-se básico para a espiritualidade ocidental, esquema de ascensão à divindade. Dionísio é um dos pais da teologia apofática ou teologia negativa; para ele Deus é incognoscível e inatingível. Particularmente estabeleceu a plena espiritualidade dos anjos, contrariando ao agostinianismo e aos platônicos cristãos em geral, os quais supunham haver uma matéria sutil em todas as criaturas.

PENSAMENTOS DE DIONÍSIO AREOPAGITA

"Dizemos, portanto que a causa de todas as coisas e que está além de todas as coisas não é absolutamente razão, nem inteligência. Entretanto não é absolutamente um corpo, nem uma figura, nem uma forma e não tem quantidade ou qualidade ou peso; não está em algum lugar, não vê, não tem um tato sensível, não sente, nem cai debaixo da sensibilidade; não conhece desordem e perturbação para ser agitado pelas paixões naturais ... Portanto, começando a subir, dizemos que não é alma nem inteligência; não possui imaginação ou opinião ou razão ou pensamento; não é Palavra nem pensamento; não se pode exprimir nem pensar; não é número nem ordem; nem grandeza nem pequenez ... e está acima de toda a negação a excelência de quem é livre absolutamente de tudo e que está acima do universo".

"A escuridão é a inacessível claridade...".

"Exercite-se sem parar as contemplações místicas, abandone as sensações, renuncie às operações intelectuais, rejeite tudo que pertence ao sensível e ao inteligível, despoje-se totalmente do não-ser e do ser, e eleve-se assim, tanto quanto lhe seja possível, até unir-se, na ignorância, com Aquele que está além de toda essência e de todo saber. Pois é em saindo de tudo e de você mesmo, de modo irresistível e perfeito, que você se elevará numpuro êxtase até o raio nas trevas da divina Superessência, tendo tudo abandonado e estando despojado de tudo".

"A Causa boa (Deus) de todas as coisas pode ser expressa com muitas e com poucas palavras, mas também com a ausência absoluta de palavras. Com efeito, não há palavra nem inteligência para expressa-la, porque ela está colocada supra-substancialmente além de todas as coisas, e só se revela verdadeirmente e sem qualquer véu para aqueles que transcendem todas as coisas impuras e puras, superam toda a subida de todos os cumes sagrados, abandonam todas as luzes divinas e os sons e discursos celestes e penetram na escuridão onde verdadeiramente reside, como diz a Escritura, aquele que está além de tudo".

"Se acontece que, vendo a Deus, compreende-se o que se vê, é que não se viu ao próprio Deus, mas algumas dessas coisas cognoscíveis que a ele devem a existência. Isso porque em si mesmo ele ultrapassa toda inteligência e toda essência. Ele não existe, de maneira puperessencia, e não é conhecido, para além de toda intelecção, senão na medida em que é totalmente desconhecido e que não existe. E é este perfeito desconhecimento, tomado no melhor sentido da palavra, que constitui o verdadeiro conhecimento dAquele que ultrapassa todo conhecimento".

"... conhecer para além da inteligência pelo não conhecer nada".

"Não é sem razão que falamos de Deus e que o celebramos a partir de todos os seres... Mas a maneira de conhecer a Deus que é a mais digna dele é a de conhecê-lo à maneira de desconhecimento, numa união que ultrapassa toda inteligência, quando a inteligência, desprendida de antemão de todos os seres, sai em seguida de si mesma, une-se aos raios mais luminosos que a própria luz e, graças a esses raios, resplente na insondável profundeza da Sabedoria".

"Trindade superessencial e mais que divinal e mais que boa, tu que presides a divina sabedoria cristã, conduze-nos não somente para além de toda luz, mas para além do desconhecimento, até o mais alto cimo das Escrituras místicas, onde os mistérios simples, absolutos e incorruptíveis da divindade se revelam nas Trevas mais que luminosas do Silêncio. É no silêncio, com efeito, que se aprendem os segredos destas Trevas... que brilha com luz mais luminosa no seio da mais negra obscuridade e que, embora permaneça ela própria perfeitamente intangível e perfeitamente invisível, enche de esplendores mais belos que a beleza das inteligências que sabem fechar os olhos... ".

"Ousamos negar tudo a respeito de Deus para chegarmos a esse sublime desconhecimento que nos é encoberto por aquilo que conhecemos sobre o restante dos seres, para contemplar essa escuridão sobrenatural que está oculta ao nosso olhar pela luz perceptível nos outros seres".

13 comentários:

Marcio Anhelli disse...

Excelente blog, parabéns!

Marcos disse...

Gilberto, estou a procura da biografia de Santa Ângela de Foligno, traduzida para o português.
Você poderia me ajudar?
Conhece alguma obra impressa ou digital?

Caso conheça me escreva.


marcosalimajm@oi.com.br

EDMILSON disse...

VOU MOSTRAR AQUI NESTE ESTUDO REGISTROS E DOCUMENTOSS DE ALGUMAS TESTEMUNHAS OCULARES QUE FAZEM REFERÊNCIAS AS OBRAS DE SÃO DIONÍSIO O AREOPAGITA MORTO NO ANO 96 DA ERA CRISTÃ!
//////
POR ISSO NÃO O CONFUNDA COM O PSEUDO-DIONÍSIO O AREOPAGOITA DO FINAL DO SÉCULO V.

VEJA AQUI ALGUMAS TESTEMUNHAS OCULARES QUE FAZEM REFERÊNCIAS AS OBRAS DE SÃO DIONÍSIO O AREOPAGITA DO PRIMEIRO SÉCULO BEM ANTES DO PSEUDO DIONÍSIO SURGIR NO SÉCULO 5.
RESUMINDO AS OBRAS DE SÃO DIONÍSIO DO SÉCULO 1
JÁ ERA TESTIFICADA POR VÁRIOS PADRES DE IGREJA COMO POR TODOS ESCRITORES ECLESIÁSTICOS MUITO ANTES DE NASCER O PSEUDO DIONÍSIO DO SÉCULO 5.
/
VAMOS LÁ
Flávio Lúcio Dextro (em latim: Flavius Lucius Dexter) foi um historiador do século IV d.C. e amigo de São Jerônimo .Ele era filho de São Paciano, um servidor do Império Romano.
A ele foi dedicada a obra De Viris Illustribus, de Jerônimo.
E mais Dexter era um amigo de são Jerônimo. Como o mesmo São Jerônimo se dirige a ele como "amicus filius", e descreve-o como "clarus apud saeculum et Christi fidei deditus".
/
E MAIS SÃO JERÔNIMO NASCEU EM 347 E MORREU EM 420 COM 73 ANOS
AGORA ELE É UMA TESTEMUNHA OCULAR DAS OBRAS DE SÃO DIONÍSIO POIS
QUANDO ELE CITA AS OBRAS DE SÃO DIONÍSIO DE AREOPAGITA DO SÉCULO 1.
AINDA NÃO EXISTIA O AUTOR QUE USAVA O PSEUDO DO NOME DE SÃO DIONÍSIO DE AREOPAGITA DO QUE SURGIU NO FINAL DO SÉCULO 5.
//////////////
VAMOS AOS FATOS OCORRIDOS ANTES DO PSEUDO DIONÍSIO APARECER AO MUNDO:
Dexter se tornou prefeito da Oriental Guardas Pretorian, e foi um dos estadistas mais ilustres do seu tempo. Ele residiu dois anos em Toledo. Dos arquivos da Igreja de Toledo e outras cidades, ele compilou uma crônica a partir do 1 dC a 430 dC, dando um breve resumo dos acontecimentos da Igreja na Espanha.
CONTINUA...

EDMILSON disse...

//
E mais essa crônica dedicou a Jerônimo, que, inscrita tanto Chronicle e autor, entre seus "homens ilustres." E outra foi a pedido de Dexter que Jerome escreveu seu livro sobre escritores eclesiásticos. Entre os primeiros bispos de Toledo, saiba também que Dexter descreve um homem notável, Marcellus ----, ---- sobrenome Eugênio, por conta de sua origem nobre.
//
E outra está nas testemunhas oculares e nos livros de patrística e história que Mar-cellus foi consagrado Bispo por Dionísio, o Areo-pagite em Áries, e foi enviado para Toledo. Agora existem os registros de Dexter que mostra que Dionísio dedicou os livros dos Nomes Divinos para ele, uc 851, AD 98.
//
AGORA POLÍCRATES FOI UM BISPO DE ÉFESO NASCIDO NO ANO 125 DA ERA CRISTÃ E MORTO EM 196 AOS 71 ANOS
diz que Timóteo, bispo de Éfeso, para quem as obras de Dionísio foram originalmente dedicada, foi martirizado durante o reinado de Nerva, AD 96-97.
//
Agora vamos encontrá-lo chamando o amigo Marcelo, Timóteo, e apresentar os livros dos "Nomes Divinos" para ele, AD 98, a fim de que ele pode ainda ter uma Timothy na terra, ---- "em vivis" ---- embora sua primeira Timóteo, "migravit ad Christum," AD 97.
Este é toque da natureza, que está preservada em uma crônica, escrito há mais de 1.400 anos atrás, por um estadista ilustre, por isso existem milhares de prova de que a obra "Divina Nomes "foram escritos anterior a 98 dC.
//////////////////////
VAMOS LÁ:
Jerome nos informa (Scr. Eclesiastes 46). Que Pantaenus morto no ano 200 da era cristã , foi um dos mais célebres filósofos cristãos de Alexandria, e que foi enviado, AD 193, por Demétrio, bispo daquela cidade, para a Índia, a pedido de um | xiii delegação Índia para essa finalidade.
//
E está registrado na história e na patrística dos padres da igreja de que Pantaenus encontrou uma cópia do hebraico do Evangelho de São Mateus, na Índia. Agora, pelo extrato, contida no Scholia de Maximus, do Scholia de Dionísio de Alexandria morto no ano 265 da era cristã que possuem os nomes divinos da obra de São Dionísio de areopagita morto no ano 96 da era cristã.
E MAIS
É também pelo extracto de uma carta do mesmo Dionísio, descobertos recentemente no Museu Britânico 6 (n º s . 12.151-2),em que sabemos que os escritos de Dionísio, o Areopagita eram conhecidos e apreciados em Alexandria alguns anos após a morte de Pantaenus no ano 200 da era cristã. Então podemos razoavelmente duvidar de que Pantaenus levou os escritos de Dionísio, e as obras mais abstratas de Hierotheus, para a Índia?
///////////////////
AGORA VAMOS A ALGUMAS FONTES

Prefácio à "nomes divinos". XV

Bivarius diz que ele era da casa e família de
César, sendo tio do Imperador Adriano. Mar-
cellus foi consagrado Bispo por Dionísio, o Areo-
pagite em Áries, e enviado para Toledo. Os registros de Dexter mostram que Dionísio dedicou o livros dos Nomes Divinos para ele, UC 851, AD 98.
//
Polícrates, bispo de Éfeso, diz
que Timóteo, bispo de Éfeso, a quem as
obras de Dionísio foram originalmente dedicado, foi
martirizado durante o reinado de Nerva, AD 96-97.
//
Agora a partir de Patmos, vamos encontrá-lo chamando
seu amigo Marcelo, Timóteo, e apresentar o
livros dos "Nomes Divinos" para ele, AD 98,
"ad migravit
Christum, "AD 97.
//////////////////////////////

Prefácio à "nomes divinos. Xlll

delegação da Índia para essa finalidade. Pantaenus
descoberto, em sua chegada, que São Bartolomeu (um
dos doze) pregou a vinda de Jesus
Cristo, naquele país. Pantaenus encontrou uma cópia do
hebraico do Evangelho de São Mateus, na Índia. Agora,
pelo extrato, contida no Scholia de Maximus,
do Scholia de Dionísio de Alexandria (250)
sobre os nomes divinos, e também pelo extrato
a partir de uma carta do mesmo Dionísio, recentemente diz
coberto no British Museum f (n º s 12151-2),
sabemos que os escritos de Dionísio, o Areopagita eram conhecidos e apreciados em Alexandria
poucos anos depois da morte de Pantsenus no ano 200 da era cristã.
//////////
CONTINUAÇÃO...

EDMILSON disse...

E MAIS REFERÊNCIAS

Só no Museu Britânico há cerca de 30 edições, e 40 tratados, com várias testemunhas oculares com fatos verídicos da época dos fatos que testemunham as obras de São Dionísio de Areopagita e do Hierotheus todos do primeiro século da era cristã.
//
REFERÊNCIAS
Bibliothèque Nationale, Paris, Edições 12. Avignon, 16 edições,entre 1498 e 1600. Leyden, superb MSS. scholia, 15

/////////


O Hieromártir Hierotheus, Foi primeiro Bispo de Atenas, era um membro dos Areópago ateniense e foi convertido a Cristo pelo apóstolo Paulo, juntamente com São Dionísio, o Areopagita
/////////
Existem três passagens importantes na obra "De divinis nominibus", onde Dionísio fala de Hierotheus como seu mestre e guia,
/////////
E MAIS... Os escritos de Hierotheus são quase tão autoritário como os livros inspirados da Bíblia. Duas de suas obras ostenta o título (bastante estranho à Era Apostólica) "Esboços de Teologia" ( Theologikai stoicheioseis ) e "Hinos de Amor" (erotikoi umnoi ). É um trecho de vinte e sete linhas do trabalho anterior.
E MAIS...
São Lucas registra a conversão em Atenas
de certos homens ilustres, e escolhe um deles pelo nome -
Dionísio, o Areopagita. Assim, ele marca Dionísio como pré-
eminentemente distinguidos.

Agora Hierotheus foi, provavelmente, um dos homens ilustres. Ele era um Areopagita, como Dionísio. E como
Dionísio foi enviado para a Gália, Hierotheus foi enviado para a Espanha. Ele se estabeleceu definitivamente em Segovia, ad 69.
1 E ^ c. Hier., Cv, s. 5, c. vi., Mysterion. ^ Eclesiastes. Hier., C vii, Mysterion.
<Episcopus aplica-se a ^ Hierarches govemamentais externos à administração espiritual.

<Halloix Life of Hierotheus.

///////////////
ALGUMAS REFERÊNCIAS HISTÓRICAS:
Dionísio acrescenta três breves citações da segunda obra da Hierotheus. Eles tratam da definição do amor e das gradações dos poderes do amor (erotes) e sua redução a um princípio supremo do amor.
Idéias neo-platônicas, tomadas, por exemplo, a partir de Proclus (Cousin ed. de 1864; cf "Instit theol..", Passim;. "Eu Aleib.", P 325;. "... Theol Plat", p 132) e outros, aparecem ao longo e fundir-se com outros pensamentos desenvolvidos pelo próprio Dionísio.
Há, portanto, uma forte suspeita de que os referidos dois trabalhos não existem, e que o seu suposto autor, Hierotheus, é idêntica à Dionísio.
/////////
CONTINUAÇÃO

EDMILSON disse...

OUTRAS REFERÊNCIAS
Existe um episódio marcante da vida de Hierotheus, que está relacionado em "De div. Nom.", Iii, 2 que nos mostra Hierotheus, com os Apóstolos Pedro e Tiago e "muitos irmãos abençoados", reunidos em torno do corpo sagrado da Mãe de Deus.
//
E MAIS...
Há, no Vaticano, uma carta em latim de Dionísio a São Paulo, no qual ele fala da beleza da bem-aventurada Virgem, sem dúvida, como pode ser visto na morte.
////////////
E MAIS... Há uma outra na Bibliothèque Nationale, Paris, onde existe uma autobiografia em Sírio, na qual é afirmado que quando St. Paul descreveu a crucificação em seu discurso em Atenas, Dionísio enviado para buscar suas notas, é feito no Egito, a qual foi lida publicamente e encontra-se de acordo com St Paulo, tanto quanto a dia e hora. Ele diz, a visita de São Paulo a Atenas foi 14 anos depois da escuridão no Egito, o que colocaria a conversão de Dionísio em AD 44.
///////////////////
A ESCOLA ALEXANDRINE.
ALEXANDRIA tornou-se a casa da filosofia cristã, mas Atenas era sualocal de nascimento. Pantaenus e Amônio-Saccus foram principais fundadores da
Escola Alexandrina. Ambos eram cristãos. Ambos chamou o ensino da Palavra de Deus ", a fonte da sabedoria", e dos
escritos de Hierotheus, e Dionísio, o Areopagita - Bispos
Atenas.
/////////
.

Pantaenus nasceu em Atenas, ad 120, e morreu em Alexandria, ad
213. Ele era grego por nacionalidade, e Presbítero da Igreja,
Alexandria por vocação. Primeiro, estóico, depois de Pitágoras, ele se tornou cristão algum tempo antes de ad 186, data em que foi nomeado
instrutor-chefe do Didaskeleion, por Demétrio, Bispo de
Alexandria.
////////
Eusébio diz que "Pantænus expôs os tesouros do Divino dogma preservada direta, como de pai para filho, de São Paulo e outros Apóstolos.
//

Phptius registros que Pantaenus foi aluno de quem teve visto os Apóstolos, agora, se Pantaenus foi aluno de quem tinha visto os Apóstolos, e ainda, não ouviu seu ensino oral,
É natural inferir que ele era aluno através de seus escritos. Eu sou um aluno.
//

Agora existem , até hoje, muitos dos escritos de dois presbíteros que tinham visto os Apóstolos - É através de St. Paul, --- cujos escritos contêm os tesouros do Divino dogmas, que recebeu de São Paulo e dos outros apóstolos.
//
Enfim aqueles dois são os presbíteros Hierotheus e Dionísio, o Areopagita, ambos ordenados Bispo de Atenas por São Paulo. Dionísio, o Areopagita chama expressamente,
São Paulo de seu "iniciador chefe", e como tal, dá seu ensinamento sobre os Santos Anjos, no sexto capítulo da Hierarquia Celestial, e freqüentemente descreve São Paulo como seu "instrutor-chefe."
//
A EU DIGO:
Se, então, podemos provar que os escritos de Dionísio já existia antes DO PSEUDO AREOPAGITA DO SÉCULO 5 e mais eles eram conhecidos em Alexandria, quando Pantaenus fazia as suas palestras naquela cidade,
//////////
Então claramente podemos razoavelmente concluir que Pantaenus saberia, e sabendo, usaria, os escritos de são Dionísio de Areopagita como referências.
////////////
POIS...
Dionísio foi discípulo de São Paulo, e piedosamente
governou a Igreja de Atenas. "
E outra prova é certa pois Roma trocara cartas alguns anos após a morte de Pantaenus no ano 200 da era cristã,
e apenas sete anos depois da morte de Amônio, e nessas cartas
afirmam claramente que os escritos é sem dúvida, escrito por Dionísio, o Areopagita, por isso para qual quer racionalista seria o cúmulo do absurdo afirmar que tais escritos eram desconhecidos de Pantaenus e Amônio isso seria uma piada ou inveja e descontento.
//////////////
CONTINUAÇÃO

EDMILSON disse...

E mas nós não precisamos basear nossa prova em mera suposição. Pois Routh dá dois fragmentos de Pantaenus.
O segundo é um eco distinto de Dionísio. Em Nomes Divinos Dionísio discute como Deus Todo-Poderoso sabe coisas existentes, e explica o texto: "Ele, conhecendo todas as coisas antes seu nascimento.
//

Como prova de que" não como aprender coisas existentes de
coisas existentes, mas a partir de si mesmo, e em si mesmo, como causa, o Divino ser pré-reserva e pré-compreende as noções e essência de todas as coisas, não se aproximando cada várias coisas de acordo com sua espécie, mas conhecer e contendo todas as coisas dentro de uma compreensão da causa.
///
Assim Deus Todo-Poderoso sabe das coisas existentes, e não por um conhecimento de existir coisas, mas por que de si mesmo. "Dionísio, falando de criação, declara que as vontades divinas e boa de Deus Todo-Poderoso definir e produzir coisas existentes.
///
Agora em Teologia Mística, c. V., Dionísio diz: "Deus Todo-Poderoso não sabe coisas existentes, que já existentes. "O ensino de Amônio-Saccus é o mesmo; Amônio usa a palavra boulema, Dionísio e Pantaenus, thelemata, de Deus, como fonte de criação.
///////////////////////

Mas, embora os fragmentos conhecidos de Pantenus são poucos
Possuímos escritos abundantes de dois alunos dele, que são Clemente de Alexandria nascido no ano 150 da era cristã.
//
E de Orígenes nascido no ano 185 da era cristã.
De que possamos reunir o ensino de seu mestre. Clemente fala de Pantaenus como seu "grande instrutor e colaborador". Tal é a semelhança entre os escritos de Clemente e Dionísio, que alguns se arriscou a conjectura de que o filósofo Clemente, citado por Dionísio, foi o Clemente de Alexandria nascido no ano 150 em Atenas e morto no ano 215 na Palestina

Vou da apenas umas familiarizadas ilustrações.
//
Clemente escreve: "Como, então, aqueles que montam a âncora no mar, arraste a âncora, mas não arrastá-lo para si, mas se a âncora, assim, aqueles que são atraídos para Deus na vida gnóstico, encontrar-se, inconscientemente, levado a Deus ". Dionísio, DN, c. III. s. 1,
diz ", ou, como se depois de ter embarcado em navio, e estão segurando o cabo, ligado a alguma rocha, nós não chamar a rocha para nós mesmos, e o navio, para o rock.
///
E MAIS...
Orígenes confessou que Pantaenus era seu superior na filosofia das escolas, e que ele moldou o seu ensinamento sobre o modelo de Pantaenus.
/////////////
CONTINUAÇÃO

EDMILSON disse...

Agora eu pergunto? Será que os escritos de Orígenes contem o carimbo de Dionísio e Hierotheus?
CLARO QUE SIM.
//
AGORA...
Para mostrar que Orígenes conhecia as obras de Hierotheus, damos um extrato a partir de sua carta aos Gregory: "Será que você pode tanto participar e aumentar continuamente a esta parte, de modo que você não possa apenas dizer que somos
participantes de Cristo ", mas também participantes de Deus."
//
Agora Papias nascido no ano 70 da era cristã foi Bispo de Hierápolis (fragmento V.) Ele diz, que os presbíteros, e os discípulos dos Apóstolos, que gradação e o método daqueles que são salvos, e que eles avançam através de passos dessa natureza e que, além disso, eles sobem pelo Espírito ao Filho, e através do Filho para o Pai, e que, no devido tempo, o Filho dará o Seu trabalhar para o Pai.
Que os presbíteros, e os discípulos dos Apóstolos foram, aqui podemos reunir a partir dos três últimos capítulos do "Livro de Hierotheus [149] ", em que a mesma doutrina é ensinada.
//
VEJA:
Aqui é, uma inferência legítima, que, quando Fócio diz que "
Pantaenus foi aluno dos presbíteros que tinham visto os Apóstolos ", ele designado Hierotheus e Dionísio, o Areopagita, geralmente conhecido com esse título?
//

Amônio Sacas, (lat: Ammonius Saccas), (175 — 242) foi um grande filósofo grego deAlexandria, considerado como o fundador da escola neoplatônica. De origem simples, ele ganhava a vida como carregador; seu apelido era "carregador de sacos", em gregos akkas ou sakkoforos.
E ele morreu naquela mesma cidade.
//
Anastácio Sinaita o chama de "o Sábio", e Hierocles ", o ensinado de Deus. "Além de ser famoso por suas exposições da Sagrada Escritura, ele escreveu o "Diatesseron", ou "Harmonia dos Evangelhos", contida no Bib. Patrum. Em ad 236, ele escreveu o acordo entre Moisés e Jesus.
//
Pressensé lindamente descreve como um homem que desejava acreditar e saber - para adorar e compreender - conciliar a filosofia grega com os Mistérios do Oriente. Ele escreveu um comentário sobre os versos de ouro de Pitágoras,que Hiérocles publicado, bem como as suas outras obras reproduzida.
//////
RESUMINDO
Os títulos de seus livros, mencionados por Fócio, como "Providence" e"Livre Arbítrio",que lembram as dos livros perdidos de Dionísio, do qual nós temos apenas um resumo de suas obras mais conhecidas. (Cód. 251-214).
///////////////////
E MAIS DIZ AS TESTEMUNHAS OCULARES QUE
Dionísio estava em débito com Hierotheus – E Amônio chamou de Dionísio. Isso nós farão, não como poderíamos, por suas obras, como descrito por Fócio, mas a partir de Plotino, seu discípulo, isso é para que possamos ter a prova vigente.
//
Plotino (em grego: Πλωτῖνος; Licopólis, 205 - Egito, 270) foi um filósofo neoplatônico, autor de Enéadas, discípulo de Amônio Sacas por onze anos e mestre de Porfírio.
morreu em Campagna, ele começou a procurar a verdade, nas escolas de Alexandria. Ele vagou de professor para professor, mas não conseguiu encontrar nenhum descanso até que ele foi persuadido a ir e ouvir Amônio-Saccus. Depois de ouvir ele, ele exclamou: "Isto é o que eu buscava."
//

"Dionísio fala de o "Pai", como única fonte de Deus, e diz que "a divindade seja inalterada pelos dons transmitidos. "no cap. XII. dos Nomes Divinos,Dionísio trata de "One" e "Perfect", quando aplicado a Deus Todo-Poderoso.
//
Mas a grande prova suprema de que Dionísio era a fonte a partir da qual a Escola Alexandrine atraiu grande parte da sua sabedoria, é Proclus (450-485).
//

Suidas afirmou há muito tempo que Proclo por passagens inteiras plagiou Dionísio. Professor Stiglmayr enche sete páginas com paralelas passagens.
//

CONTUAÇÃO

EDMILSON disse...

Quais escritos apareceram pela primeira vez? essa é a questão. Dexter comemora o "Nomes Divinos" ad 98 [150].
//
São Jeronimo em citações cite ele como "quidam Graecorum". Agora Dionísio de Alexandria (250 dC), escrevendo para Sisto II., declara que ninguém pode duvidar de que a inteligência dos escritos são os de Dionísio, o convertido de St. Paul, Bispo de Atenas.
//

Tertuliano, expressa a Agnosia "nihil scire omnia scire"
//
Orígenes cita-o pelo nome. Theodore respostas (ad 420) objeções, - a quem Photius aprovado.
//

Gregory chama Dionísio "um antigo Pai e venerável. "Agora o Concílio de Nicéia, cita muito as palavras, contidas na "hierarquia eclesiástica", c. I. s. 4, com a aqueles dos grandes Dionísio.
//
O Bispo Pearson prova que o melhor juízes em sexto, quinto, quarto e terceiro séculos, considerado os escritos como está escrito: por Dionísio, o Areopagita.
//
Estudiosos alemães admitem que o testemunho externo em favor de sua genuinidade.
///
E MAIS... NO TERCEIRO SÉCULO MUITO ANTES DE SURGIR O PSEUDO DE DIONÍSIO.
- Anastácio de Antioquia e Maximus o mártir, ambos afirmam que Dionísio, o famoso bispo de Alexandria, escreveu scholia sobre as obras de Dionísio, o Areopagita.
SÓ COM ESSA AFIRMAÇÃO JÁ CAI POR TERRA TODAS AS BABOSEIRAS DE QUAL QUER RACIONALISTA QUE AFIRMA QUE SÃO DIONÍSIO DE AREOPAGITA NÃO FOI ESCRITOR.
/////////////
E VAMOS PARA MAIS REFUTAÇÕES VAMOS LÁ:
Maximus, em seu comentário sobre o quinto capítulo Hierarquia Celestial ", ao falar sobre a palavra ova-iat ^
aplicada nesse capítulo ao Santos Anjos, diz: "Ao grande
Dionísio, o bispo de Alexandria, que tinha sido um retórico,
no scholia que ele fez sobre o abençoado Dionísio.
//
1 Dionysiiis era descendente de Jónico príncipe que primeiro plantou a vinha - em Zante - e ensinou o uso do vinho. Daí o nome Dionísio. - Doublet.

* Ler Ant Ed., Vol 3, 390-6 e p. 45a * p. 452. <I VOL, p. 70.


AGORA
Dionísio de Alexandria no final do século 2, e Maximus do século 3 como o Concílio de Nicéia, aceitam-os como verdadeiras obras de Dipnysius.

ISSO SÃO FATOS VERÍDICOS
VOU COLOCAR AGORA ALGUMAS NOTAS

Amelius foi um( do grego : Ἀμέλιος ), cujo nome de família era Gentilianus, ele foi um neoplatônico filósofo e escritor da segunda metade do século 3. Ele era um nativo da Toscana . Ele foi um estudioso das obras de Numênio de Apamea
Ele também testemunha a mesma coisa!
//
Agora afirmamos que o testemunho destes homens ilustres, e os extratos de Pantaenus, e do Amônio de Alexandria do terceiro século. E dos seus discípulos, justificam a conclusão de que a Escola Alexandrina era bíblica, cristã e filosófica, e que sua filosofia era uma filosofia divina da fé, e que as principais fontes do Divino Filosofia de seus escritos foram os de Hierotheus e Dionísio, os Bispos de Atenas.
////////////
AGORA ALGUMAS NOTAS
Para esboço da Vida, e Evidencia Interna da data e externo Testemunho a autenticidade durante os primeiros nove séculos, consulte "Celestial e
Hierarquia eclesiástica. "(Skeffington, 2s. 6d).
________________________________________________________

[148] c. 140.

[149] Br. Mus. (Ad. Rich. 7.189)

[150] De Tabularia de Toledo, ad 98.

EDMILSON disse...

É ENGRAÇADO TEM UNS VAGABUNDOS HEREGES PROTESTANTES DE FUNDO DE QUINTAL QUE VEM PREGAR FABULAS SEM TESTEMUNHAS OCULARES DE QUE SÃO DIONÍSIO DE AREOPAGITA NÃO FOI ESCRITOR ISSO É UMA PIADA RSRSRSRS
//////////
PROTESTANTES DE FUNDO DE QUINTAL SEUS PASTORES E SEUS HISTORIADORES ADULTERAM FONTES DESCARADAMENTE SE DUVIDAR VENHA SE METER A HISTORIADOR COMIGO ADORO UM DEBATE

EDMILSON disse...

Fragmentos de Pantaenus recita as obras de São dionísio de Areopagita

Pantaenus 1 O filósofo de Alexandria.

------------

[Ad 182-192-212.] O mundo deve mais à Pantaenus do que todos os outros estóicos juntos. Sua mente descobriu que a verdadeira filosofia é encontrada, não na varanda, mas em Nazaré, em Getsêmani, em Gábata, no Gólgota, e ele pôs-se a dar a conhecer ao mundo. Já estamos familiarizados com o grande mestre de Clemente, 2 "a abelha siciliana", que abandonou as flores de Enna, para enriquecer Alexandria com o que é "mais doce que o mel eo favo de mel", e lembramos que ele se tornou um zeloso missionário para a Etiópia Oriental, e encontrou ali os vestígios de trabalhos St. Matthias ', e aqueles também de São Bartolomeu. A partir desta missão, ele parece ter voltado sobre ad192. Possivelmente ele era o mestre da escola de Alexandria antes de ir para a Índia, e voltou para sua cadeira quando a missão foi concluída. Lá, ele sentou-se até cerca de ad212, e com ele esta academia cristã tornou-se famoso. Ele já existia como uma escola catequética de tempo dos Apóstolos, segundo São Jerônimo.Tenho notado em outros lugares algumas razões para supor que seu fundador pode ter sido Apolo. 3 Toda a aprendizagem da cristandade pode ser atribuída a essa fonte, e bendito seja o nome de um dos quais todos nós sabemos é enobrecedor à Igreja, e cuja altruísta carreira foi uma faixa de luz "brilhando mais e mais até ser dia perfeito."
I. 1

"No sol tem Deixou a sua tenda." 2 Alguns afirmam que a referência é o corpo do Senhor, que Ele mesmo coloca no sol, 3 Hermógenes, por exemplo.Quanto ao seu corpo, alguns dizem que é a Sua tenda, outros a Igreja dos fiéis. Mas os nossos Pantaenus disse: "A linguagem empregada por profecia é, na maior parte por tempo indeterminado, o tempo presente, sendo usada para o futuro e, novamente, o presente para o passado."
II. quatro

Este modo de falar São Dionísio, o Areopagita declara para ser usado nas Escrituras para denotar predeterminações e expressões da vontade divina.5 Da mesma maneira também os seguidores de Pantaenus, 6 , que se tornou o preceptor do grande Clement o Stromatist, afirmam que eles são comumente usado nas Escrituras para expressões da vontade divina. Assim, quando questionado por alguns que se orgulhavam na aprendizagem exterior, sete de que forma os cristãos deveriam Deus para se familiarizar com o universo, 8 a sua própria opinião é que ele obtém seu conhecimento do que de maneiras diferentes , de-coisas abrangida da província do entendimento por meio do entendimento, e de pessoas dentro da região dos sentidos por meio dos sentidos,-que respondeu: "Nem ele ganha familiaridade com as coisas sensíveis pelos sentidos, nem com as coisas dentro da esfera de o entendimento pela compreensão, pois não é possível que aquele que está acima de todas as coisas existentes devem apreendê-las por meio de coisas existentes Afirmamos, pelo contrário, que Ele está familiarizado com as coisas existentes como os produtos de sua própria vontade.. " Eles acrescentaram, por meio de demonstrar a razoabilidade de seu ponto de vista: "Se Ele fez todas as coisas por um ato de sua vontade (e nenhum argumento será apresentado para negar isso), e, se é sempre uma questão de piedade e retidão dizer que Deus está familiarizado com sua própria vontade, e se Ele fez voluntariamente todos os vários coisa que veio à existência, então certamente Deus deve estar familiarizado com todas as coisas existentes como os produtos de sua própria vontade, vendo que estava em o exercício dessa vontade que Ele fez. "

EDMILSON disse...

AMIGO ISSO AQUI É ANTES DO PSEUDO DIONÍSIO DE AREOPAGITA NASCER NO FINAL DO SÉCULO 5.

VEJA AQUI QUE AS OBRAS DE SÃO DIONÍSIO DE AREOPAGITA JÁ ERAM REFERÊNCIAS DESDESEMPRE.

Dexter, em sua crônica, coletados nos arquivos de Toledo e de outras igrejas na Espanha, dá este testemunho: -

"UC 851 (ad 98). Dionísio Areopagita dicat Eugenio Marcello, dicto, propter ingenii excellentiam, Timotheo,libros de Divinis Nominibus ".

///

NOTE aqui que Dionísio de Alexandria, escrevendo para Tope Sisto II., C. 250 ele respeitando os escritos de Dionísio, o Areopagita, afirma "que ninguém pode contestar sua paternidade de forma inteligente, e que ninguém penetrou mais profundamente do que Dionísio nas misteriosas profundezas da Sagrada Escritura.

Anônimo disse...

Edmilson, obrigado!